segunda-feira, 2 de novembro de 2009

"O Meu Pé de Laranja Lima" - José Mauro de Vasconcelos

* *
Sinopse: "Este livro retrata a história de um menino de cinco anos chamado Zezé, que pertencia a uma família muito pobre e muito numerosa. Zezé tinha muitos irmãos, a sua mãe trabalhava numa fábrica, o pai estava desempregado, e como tal passavam por muitas dificuldades, pelo que eram as irmãs mais velhas que tomavam conta dos mais novos; por sua vez, Zezé tomava conta do seu irmãozinho mais novo, Luís.
Zezé era um rapazinho muito interessado pela vida, adorava saber e aprender coisas novas, novas palavras, palavras difíceis... que o seu tio lhe ensinava. Contudo, passava a vida a fazer traquinices pela rua, a pregar peças aos outros e muitas vezes acabava por ser castigado e repreendido pelos pais ou pelos irmãos, que passavam a vida a dizer que era um mau menino, sempre a fazer maldades. Todos estes fatores e o fato de não passar muito tempo com a mãe, visto que esta trabalhava muito, faziam com que Zezé, muitas vezes, não encontrasse na família o carinho e a ternura que qualquer criança precisa.
Ao mudarem de casa, Zezé encontra no quintal da sua nova moradia um pequeno pé de laranja lima, inicialmente a idéia de ter uma árvore tão pequena não lhe agrada muito, mas à medida que este vai convivendo com a pequena árvore e ao desabafar com esta, repara que ela fala e que é capaz de conversar consigo, tornando-se assim o seu grande amigo e confidente, aquele que lhe dava todo o carinho que Zezé não recebia em casa da sua família. Ao longo da história vão acontecendo vários episódios na vida deste menino, uns mais alegres, outros mais tristes, que nos transmitem uma grande lição de vida e do modo como agir perante diversas situações, pois apesar de ter apenas cinco anos, Zezé já tinha atitudes que qualquer criança comum nunca teria, fazendo-nos então pensar um pouco acerca de nós mesmos e das nossas atitudes perante determinadas situações."
*
Opinião pessoal: Como diria o brasileiro: "Amei esse livro!"
Ler este livro, para mim, foi ver o mundo através dos olhos de um menino de cinco anos, precoce, pobre, traquinas, mas muito meigo e ternurento.
Não sei como vocês classificam um bom livro, mas para mim é aquele que me desperta emoções, me faz sentir empatia, revolta, ternura, ou o que quer que seja, pelas personagens e situações que relata.
E este foi um desses livros.
Confesso que há muito muito tempo um livro não me punha a deitar a lágrima, mas este conseguiu.
O retrato de pobreza numa a família numerosa, o desemprego do pai e a consequente falta de dinheiro para comprar uma simples prenda de Natal, por mais simbólica que fosse, aos próprios filhos, é de cortar o coração.
Adorei a maneira como o Zezé tratava os irmãos: o Totoca (António, de seu nome original), e a Godoía (Glória), desarmaram-me logo!
E depois aquele interesse incessante, aquela curiosidade em querer saber sempre mais, em querer compreender o significado de todas as palavras que ouvia e que o tio lhe ensinava.
As cenas mais marcantes:
Quando o Zezé anda a roubar flores para levar à professora, porque não suporta ver o copo da secretária sempre vazio.
As voltas que ele dá no dia de Natal, para tentar pôr o pai com um sorriso nos lábios.
As surras monumentais, de caixão à cova. Surreal!
A amizade que cria com o Portuga e o desfecho da mesma... snif snif...
Resumindo e concluido, um livro de leitura obrigatória, a não perder mesmo!
*

5 comentários:

Felicity e Gucci disse...

Parece ser uma boa leitura...o meu filho e eu adoramos uma boa leitura antes de adormecer...hoje em dia tem 7 anos e é quem me conta as histórias :) ... as próximas aquisições este vai ser um título a ter em conta


beijitos

Migalhas disse...

Lindo, lindo, lindo... um tesourinho para ler e reler.
Fico à espreita da tua opinião :)*

Ratinho de biblioteca disse...

Olá Felicity e Gucci!
É de facto uma óptima leitura! Recomendo-a sem reservas.
Acho maravilhoso ser o seu filho de 7 anos a contar-lhe as histórias a si. É sinal que já tem incutido o interesse e o gosto pela leitura.

Querida Lígia!
Como podes ler na minha opinião sobre o livro: Adorei! É mesmo um tesourinho!

Obrigada às duas pela visita e pela vossa opinião.

Emília Santana disse...

já li o livro e achei muito bom, pois nos ensina como devemos agir.

MARLENE disse...

SOU PRIMA DO ZEZÉ,CRIADA EM BANGU
ONDE A MÃE DELE TRABALHAVA..RETRATA SUA INFÂNCIA ,DE GRANDE PUREZA E TAMBÉM SOFRIMENTO.lEIAM COM SEUS FILHOS E NETOS.EMOCIONA